sexta-feira, 29 de janeiro de 2010


236 - CONTRÁRIO
Autor: Carlos Henrique Rangel

O contrário ainda sou eu?

O que vejo no espelho
Sou eu?

Tudo está do outro lado.
Contrário.

O que há por trás
Do espelho?

Não vejo meus pensamentos
E eles estão lá.
Tanta coisa no lado de cá
Que não vejo lá...
Mas é a imagem
Que tenho de mim.
Contrária.
Incompleta.

O que você vê não sou eu.
Sou mais.
E quem pode saber?

O que vejo no outro
Também é o outro?

Ou o outro é mais
E o que vejo no outro
Sou eu?

Quando saberei da totalidade?

Algum dia me verei?

Mesmo que contrário?

Estou em pedaços...
Só eu sei de mim.

Alguns sabem alguma coisa.
Só eu sei de mim...

Será?

11 comentários:

  1. O que você vê não sou eu.
    Sou mais.
    E quem pode saber?

    Disse tudo nesse fragmento. O poema todo por si já está divino. Belíssimas palavras, belíssimo poema. Nem nós mesmos sabemos quem somos e de que somos capazes, pra que dirás os outros, que sabem menos que a gente. Ótimo poema para refletir.

    http://tacadesabedoria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Minha mente é ao contrário?
    Não penso com clareza...

    ResponderExcluir
  3. Eu não vi graça nenhuma nesse poema. Victória, sou contrário a tudo o que você disse.
    E Kenia, Eu tô achando que você está realmente ficando doida.Aquele seu blog está te pirando. Confessa, você não tomou seu remedinho hoje.

    ResponderExcluir
  4. Victória, seja bem-vinda. Obrigado pelo comentário. A verdade é dque muito dificil sabermos o que realmente somos. Eu não sei quem sou e muito menos o que o OUTRO é.

    Kenia, não liga para o comentário desse "Zé bobo" Você é uma louca linda e todos te adoram.

    ResponderExcluir
  5. Eu sou louca...
    A loucura é compreender sua propria mente...

    ResponderExcluir
  6. Gostei deste texto Proteus! Bem, eu continuo assim...quem sou eu? Descubro-me a cada dia.
    "Butterfly!" Parabéns pela sua criatividade.
    Ceci

    ResponderExcluir
  7. Devemos tentar Ser... Sempre. Que seja uma borboleta, fada, anjo ou um deus peixe.

    ResponderExcluir
  8. Eu não sei quem eu sou, muito menos quem são aqueles que me rodeiam.
    Proteus sou sua fã, e de tudo que você escreve.
    E esse poema ficou perfeito aos meus olhos.

    Beijos

    ResponderExcluir

1212 - FOICE