quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Autoria da foto: Carlos Henrique Rangel

419 - FALAS
Autor: Carlos Henrique Rangel

Que sejas de ouro e pedras preciosas...
Que sejas obra prima de mestre inigualável...
Se não me disseres nada,
Sinto muito...
Nada será aos meus olhos,
Aos meus ouvidos...
Aos meus sentidos.
Só o que conheço posso entender...
Só o que entendo posso respeitar...
Se não sei de você,
Se não me falas um nada,
Que te importas a mim?
Digas-me o meu mundo
E te farei meu.
Falas a mim...
Falas de mim...
Assim me serás caro
Por que serei
Se tu fores para mim.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

418 - AS VOZES
Autor: Carlos Henrique Rangel

Ouçam as vozes das coisas
pois as coisas falam...
SILÊNCIO!
Aprenda a ouvir
o que dizem as casas...
e essas ruas...
e essas igrejas...
e essa carteira de escola...
Olha como o silêncio
Não há.
As coisas te gritam
O que você não lembra...
E você ouvirá
Se quiser lembrar.

Deixa eu te ouvir
Coisa que fala.
Conte-me o que esqueci
Humano que sou...
Ensina-me sua língua
Para que eu seja mais Homem.
Que sua sabedoria
Feita de coisas de homens
Me faça mais...

Ouçam as vozes das coisas...
Silêncio...
Silêncio...
Estão ouvindo?


sexta-feira, 3 de setembro de 2010

417 - PESO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Pesa-me o tempo
Esse sem idade...
Eu a tenho...
E a cada dia...
Faltam-me forças
Para lutar pelo que havia.
Não há mais receitas
Tudo me parece a descobrir
E não quero.
E não posso.
E não agüento mais...
Pesa-me o tempo
E tudo mais...
Minha mente vive no passado
E não me deixa em paz.
Tudo vem à mente...
Tudo que foi
E por que...
As conseqüências...
Sou eu as conseqüências...
Sou o fim do que fui.
O início do que serei...
Pesa-me o tempo
E não quero mais...
Assusta-me o que fui
Assusta-me o que serei...
Pesa-me o tempo
E eu também...



1246 - ESPECTRO