segunda-feira, 28 de junho de 2010

391 - GAGO

                                                                     Jogador Fernando Gago
391 - GAGO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Eeeu tete amo...
É por por por isso que que fico assim.
Rerepito mil vevezes memeu olhar para ti.
Repepetir vivirou hábibito desdeste nervoso cocoração.
Sósó por susua razão.

Não riria nãao.
Isso nãaao é bom...
Bom seserá se meme amar
Assim, rerepetidas vevezes
Cocomo fafaço por ti.

Cacalado eu sou didiferente..
Só gagaguejo nos cacarinhos
Que sei rerepetir diferente.

Ama-me
Dêdê-me uma chanchance.
Tete gagaranto
Que ninguém Tete disse
Tete aaamo cocomo eu
Didigo.

(Uma brincadeira)

390 - SETA

sábado, 26 de junho de 2010

389 - VERTICAL


385 - FILHOS DA NOITE
Autor: Carlos Henrique Rangel

Nós os filhos da noite
Somos mais fortes
Quando o brilho das estrelas
Iluminam-nos a lida.
Com os pés salgados de mar
Temos asas ao vento...
Vontade de voar.
Na penumbra nos debruçamos
Sobre o mundo
Para dizer segredos
Conhecidos, já ditos...
Repetidos.

Nós os filhos da noite
Somos solitários guerreiros
Da paz.
O amor em nossas letras
São armas leves,
Acariciam
Não ferem.
Te encontro entre um vôo e outro
Sobre o mar...
Sob os brilhos das estrelas...
Nós os filhos da noite
Temos como sina,
Amar...


386 - GÓTICO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Cuidado!
Não te quero ferir...Mais.
Já bastou o sangue sobre os lençois
que estamparam nossa dor...Sua.
Sobreviva sem mim,
Se puder.
Nada de bom pode vir de mim.



387 - LUA
Autor: Carlos Henrique Rangel

A lua brilha como coroa
Sobre minha cabeça.
Eu, pobre anjo noturno
A tenho como amiga...
Nas noites,
Quando todos os anjos
São mansos
Eu rabisco seu nome
Nas estrelas...
Acorda!
Brinca comigo
À luz da lua...
Serei original
Dizendo asneiras...
Sou anjo noturno.
Solitário menino... Manso...
À noite,
Todos os anjos o são...


388 - DE NOVO O GRÃO
Autor: Carlos Henrique Rangel

O mar ...
Esse que quebra na praia.
Já disseram, é bonito.
Melhor a praia e seus grãos...
Aqueles que ficam na pele
e que guardo no coração.
Não desejo toda a areia da praia...
Não.
Somente o grão.
Esse grão.

Ah... Esse grão em forma de rosa...
Que dizer de seu lirismo?
Bebo suas ondas
E a sede se amplia...
Fira-me com seus espinhos...
Guardarei o grão nos olhos
Entre lagrimas...
O mar sabe recuar...



sexta-feira, 25 de junho de 2010

383 - ANJO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Com asas de peixe
Não tenho penas...
Anjo sou à noite
Quando minhas asas
Têm penas...
Tenho pena de quem
Não lembra.
Lembrar é ver o que ficou.
O que foi
E pensar no que será.
Serei melhor se lembrar...
À noite lembro...
Por lembrar escrevo...
Anjo sou no silêncio noturno...
Tenho penas.

384 - SONHO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Sonho todas as noites
Com você...
Por que povoa meus sonhos
E não a minha vida?
Por que me incomoda
Nas nuvens
Quando te quero ao lado?
E eu nem sei de você...
Você será?
Ou só em sonhos?
Eu lamento a cama vazia
E você só em sonhos...
Sonho com você
Todas as noites.
Quem dera sonhe
Com quem te sonha...
Que seja nosso
O mundo dos sonhos...



segunda-feira, 21 de junho de 2010

382 - ESPAÇO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Vocêquisespaço
Eeutesufoquei.
Commeusvazios.
Agoranãohámaisespaço
Entrenós.
Nemmesmoentrepalavras.
Quemsabeassim
Vocêentenda
Queoespaçoentrenós
Éadistânciadeumabraço.
Nãovêqueteamotanto
Aopontodemeafastarquandodeseja?
Perdoe-meafaltadeespaço...
Tedareinadassilenciosos
Deminhaausênciaquandodesejar...
Porhora
Deixeafrescuradelado,
Vem cá.

sábado, 19 de junho de 2010

378 - POR VOCÊ
Autor: Carlos Henrique Rangel

Serei
O seu Super-Herói
Sem poder...
Com você posso tudo
Sem poder...
Por você
Enfrento o Mundo.
Dou cheques sem fundo.
Já disse: sem poder.
Atravesso auto-estrada.
Almoço em lixões.
Varro a calçada.
Picho corações.
Serei seu Super-Herói
Sem poder.
De colante sensual
De coração puro
E cheio de moral.
Por você
Trarei uma rosa
Da Lua.
Um sorvete
De Marte.
Montarei
Uma mula.
Serei seu Super-Herói
Sem poder
E poderei tudo
Por você.


379 - FOME
Autor: Carlos Henrique Rangel

A nossa fome
eu acalmo à noite.
Serei seu alimento
e você o meu...
Como Prometeu,
Amanhã estaremos
Prontos...
E novamente
Você será minha
E eu serei seu.




380 -CASA
Autor: Carlos Henrique Rangel

A minha casa que era a sua
Já não diz seu nome ao sabor do vento.
Nem o ranger das portas têm o som de sua voz...
Ninguém te lamenta nessa morada...
Não há vida a te desejar...
Apenas lágrimas da goteira que pinga
E uma cortina em coma...
Eu respiro sem você...
Ainda...



381 - AMOR DE VERÃO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Palavras esquecidas
Na areia...
Não as ouço mais...
O amor de verão,
Quente como o Sol,
Perdeu-se com as primeiras
Folhas ao chão.
Nem mesmo seu nome
Ficou na lembrança.
Esqueci suas
Palavras ditas na areia.
Não os seus beijos...
Não os seus abraços...
Aquele amor de verão
Minha pele reclama.
Meu coração não.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

376 - SEM TI
Autor: Carlos Henrique Rangel

Quem sou?
Não sou mais ninguém
Sem ti.
Não me chamam mais...
Sou sem nome algum.
Me perdi entre os cacos
Destroçados do meu peito.
Antes de ser, tudo mudou.
Já não sou.
Arrasado estou
Nesse canto escuro das letras.
A quem direi minhas notas?
A quem chamarei minha?
Perdi minha borboleta
Minha fada
Minha ninfa...
Sou um ninguém sem rosto
Um ser alado
Que já não voa mais...
Não sou ninguém
Sem ti.
Não me chamam mais...




377 - SENTIDO II
Autor: Carlos Henrique Rangel

Há sempre um sentimento
Sentido que dá sentido
Ao existir...
Existo por que sinto.
E o que sinto
É amor por ti...
Sempre haverá sentido
Em sentir o que sinto
Por você.
Amor...
Sim, eu sinto...
Sinto muito se te ofendi.





domingo, 13 de junho de 2010

372 - AMOR DO PASSADO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Esse amor do passado
Não passa, fica a meu lado
Segue-me na lida
E na sobrevida que teimo em levar.
Praças e banco já me conhecem o drama
E me cansa essa monótona tristeza,
Sempre a mesma.
Sempre a mesma...
Você que se foi sem aviso
Eu espero... Sei esperar...
Meu amor do passado é presente
Sempre foi presente...
Está invisível ao meu lado
E não me deixa continuar.
Continuo sofrendo o passado
Como um presente deixado...
Guardo a tristeza como um relicário querido,
Mas o querido é ter você a meu lado.
Empurro a vida como um fardo pesado...
Quem sabe um dia te reencontro no mundo
ou com a sorte dos que amam
Do outro lado...
Do outro lado...



373 - MELHOR LUGAR
Autor: Carlos Henrique Rangel

O melhor lugar do mundo
É esse nosso aqui e agora.
O melhor dos mundos
Foi te encontrar nesse mundo,
Onde dois podem ser um
E gerar mais.
O melhor lugar é está a seu lado
Nesse mundo.
Sabendo seu
O meu mundo.
Sabendo meu
O seu mundo.
O melhor lugar
É aquele nosso lugar.
Universo de dois
Que se querem um.

374 - SAUDADE
Autor: Carlos Henrique Rangel

Meu amor,
A saudade
Tem a cor dos seus olhos
E nubla os meus.
Essa cor que descora a minha,
Que me prostra sem cor
Em mesas sem vida,
É a cor dos seus olhos...

A saudade tem a cor
Rubra de sua boca
E a sede de sua saliva.
Meus olhos não choram mais...
Esgotaram-se as lágrimas...
Foram-se perdidas...

São vermelhas as lágrimas do coração
Que ainda choram sua falta.
A saudade que as alimenta
Tem a cor dos seus olhos...

Eu espero...


375 - LUGAR DO PASSADO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Em algum lugar do passado
você se separou de mim.
Não sei como
Não sei onde...
Te perdi.

Em algum lugar do passado
você passou por mim.
E eu não vi...
Mas senti.
Um pedaço de mim
que se perdeu
Em algum lugar do passado
Me deixando manco de mim.

Fui feliz um dia
Naquele lugar de minha mente...
Hoje procuro por ti.
Em algum lugar do presente.

Em algum lugar do passado
Você passou por mim...
Em algum lugar do passado
eu te perdi.


sábado, 12 de junho de 2010

369 - DE MIM
Autor: Carlos Henrique Rangel

Meu pior
Desejo
Foi te desejar
Longe de mim.
Longe de mim
Esse desejo
De te ter
Longe de mim.

Te quero minha.
Te desejo minha.
Meu melhor
Desejo
É ter você
Perto de mim.

370 - PAZ II
Autor: Carlos Henrique Rangel

A paz que quero
Eu a perdi
Para os desejos.
O que quis
Afastou-me
Do que quero...

Desejei o mundo.
Não cheguei perto.
E não sou feliz.
A paz que achei
Que teria
Ao ter um pouco
De tudo,
Não consegui.

Hoje não quero
Mais nada.
Apenas paz.
Que eu tenha menos
O que desejava.
Esse é o meu desejo.
Que eu tenha paz
Agora.


371 - TÃO LINDA
Autor: Carlos Henrique Rangel

Menina,
Por que se faz
Tão linda?
Um pedaço de você
Eu queria
Em minha companhia.
Pequeno que seja
Eu queria.
Para me olhar...
Para me beijar...
Seja minha.

Menina,
Por que não se faz
Minha?
Pedaços de você
Eu guardaria.
Esteja sempre
Em minha companhia.


sexta-feira, 4 de junho de 2010

364 - RIO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Eu derramo meu rio
Por você.
Banho as margens
Enrugadas em cascatas
E é só por você.
Por quê?
Meu rosto úmido
Te satisfaz?
Há prazer no verter?
As nascentes
Observam-te nesse adeus
E você nem ai...
Há vida no rio salgado
Que deságua em torrentes
E você nem ai...
A despedida
É quase uma súplica
Gritando-te FICA.
Nada mais fica...
Nem mesmo as lágrimas
Nos olhos...
Você parte
Como se nunca
Fossemos nada...
Você nunca
Será nada... Para mim.
Eu continuo derramando
Meu rio por você...

365 - SEDE
Autor: Carlos Henrique Rangel

Mata essa sede
Que corrompe o corpo
Essa cobertura d’alma.
Deixa beber o que puder
Desse frasco salvador
Saciar esse desejo
Que não é só meu
Também é seu.
Mata essa sede
Que escraviza o corpo
E transforme em
Prazer o que é quase dor.

366 - SENTIDO
Autor: Carlos Henrique Rangel

O sentido
Só tem sentido
Se for sentido.
Eu sinto muito
Esse amor...
Você sente?
Ou acha?
Tudo que faço
Tem sentido...
Quase...
O que sinto
Por você
Tem sentido...
Eu sinto muito...
Esse amor.


367 - SALVO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Eu vi o Céu em seus olhos
e era cor de mel.
Serei digno de entrar no paraíso?
Terei assento em seus jardins?
Sou pobre mortal
Admirando deusa...
Serei feliz com um sorriso...

Mulher, eu não sou digno
De suas palavras...
Mas me dê esse olhar
E serei salvo...

368 - PONTOS DE LUZ
Autor: Carlos Henrique Rangel

Nos pontos de luz
Eram suas asas
Que eu via
Em meu delírio
De você.
Enquanto
A cerveja
Me esperava,
Meus olhos
Te observavam
Minha fada...
Minha deusa...
Sua falta presente
Na mesa
Era minha
Companhia.
Os pequenos
Pontos de luz
De meu delírio
Me sorriam.
Asas douradas
Que não vejo...
Você
Que eu desejo..




terça-feira, 1 de junho de 2010

PEQUENOS POEMAS

352 - SEGREDOS
Autor: Carlos Henrique Rangel

Manterei segredos
Para o mundo.
Nunca revelarei
Nosso mundo.
Que fique dentro de nós
O que só nós sentimos.
Não jogaremos perolas
Aos gentios.

353 - MÚSICA PARA VOCÊ
Autor: Carlos Henrique Rangel

Para você, um samba canção.
Bolas nas redes
Nas traves
No coração.
Talvez uma canção sertaneja.
Cheia de lágrimas
E traição.
Talvez um Caetano, Um Gil... Ou não...
Um funk, Eu sento e vejo.
Não arrisco não.

354 - AVE ETERNA
Autor: Carlos Henrique Rangel

Pois a ave que não quis
Renasce todos os dias.
Me pousa os ombros
E se alimenta de coração...
O meu.
Seu nome eu vejo
estampado no peito:Solidão.
355 - PENSO
Autor: Carlos Henrique Rangel

O que penso?
Penso em você bem perto de mim.
Minha boca não diz.
E meus olhos, esses inúteis,
Apenas olham distraídos
Enquanto penso...em ti.
Pobre de mim...

356 - AQUELE SER
Autor: Carlos Henrique Rangel

Aquele ser que vive no profundo.
Que habita as almas atormentadas,
Passeia suas asas por minha cabeça.
Espalha os fios envelhecidos
e me banha de tristeza.
Passo a noite a seu lado
Remoendo o passado.
Essa minha companhia de solidão macabra
É um vinho amargo
E só esqueço quando estou a seu lado.



357 - BOCA
Autor: Carlos Henrique Rangel

A sua boca
Em minha boca.
Minha boca
Em sua boca.
Lingua e lingua
Minha e sua.
Gosto de mel
Que passa no Céu.
No meu Céu.
No seu Céu.
Minha boca.
Sua boca.
Nossas bocas...
UMA BOCA.

358 - INSPIRAÇÃO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Folhas ao vento.
E sussurros... há mais...
Presto a atenção
E ouço a canção.
São palavras,
Uma inspiração.
De quem são?
Para onde vão?
Fiquem comigo.
Darei-lhes abrigo
No meu coração.

359 - AMANHECER
Autor: Carlos Henrique Rangel

Um olho,
Dois olhos...
A preguiça ainda me chama.
E diz me amar...
Mas o dia que nasce,
Menino levado,
Espera-me com o que já sei
E o que não.
Incomoda-me o que sei.
Amedronta-me o que não.
Levantar é preciso...
Viver?
Viver não.

360 - MUNDO
Autor: Carlos Henrique Rangel

No escuro do quarto
Quando não te vejo
É quando te vejo melhor.
Sua pele quente
Seu perfume suave
Seu amor.
Nosso amor.
No escuro do quarto
Somos dois em um.
Se existe o mundo
A porta o deixou.
O escuro do quarto
É o nosso mundo.
Só eu e você.
És meu tudo
Seu tudo sou.


361 - PROFECIA
Autor: Carlos Henrique Rangel

Oro uma prece sobre seu corpo.
Amo o que vejo
E o que não.
Te darei mil beijos
Na continuação.
Sou o seu pedaço
Que esqueceu,
Sua complementação...
Me ame mais
A cada dia
Que seja agora
A profecia.


362 - SEIO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Pois é no teu seio
Que me esqueço do mundo
E lembro de mim.
Deixa eu ouvir seu coração,
Essa canção que acalma
Deixa eu ficar...
Mais um pouco...
Sou feliz...

Lá fora não.

363 - JOGO DE TRILHA
Autor: Carlos Henrique Rangel

Jogue o dado...
Quem vai jogar?
Passe uma rodada.
Fique uma vez
Sem jogar...
Dê-me um beijo...
Agora pode continuar.
Jogue o dado...
Quem vai ganhar?



1202 - ROMEU

1202 - ROMEU Autor: Carlos Henrique Rangel