segunda-feira, 19 de outubro de 2009

150 - NOME DO MUNDO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Eu vi uma janela
Em seus olhos:
Abra!
Grite alto
O meu nome...
Tenho o nome
Do mundo
E atendo
Qualquer chamado.
Meu beijo distante
É tao próximo
Que te espanta...
Ou não...
Sou manso cordeiro,
Menino bom...
Me leve para casa
Me chama de bem
Me ama de leve
E depois...
Tudo bem.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

149 - CORES
Autor: Carlos Henrique Rangel

A minha dor
é lilás, quase roxa...
Mas não sou
dor...
Meu sorriso
é branco neve
E te diz
Tanto...
Mas não sou
Só sorriso...
Tenho ódios
Vermelhos
que escurecem
São quase negros.
Mas não sou
ódio...
Sou felicidades
Amarela/ouro
E te ilumino
Em sorrisos
Brancos...
Mas...
Não sou
felicidade
Tenho momentos
De paz azul
Como o Céu
Como o mar distante...
Mas também
Não sou
paz...
Às vezes,
e são muitas
Essas vezes,
Sou um arco-iris
E alterno
Dores lilás
Ódios vermelhos
Felicidade Amarela
Sorrisos brancos
E uma grande
Paz azul...
Nesses momentos
Me sinto
Mais vivo
E me descubro
Multicor
Multi-emoções.
Sei apenas
Que
Quando
Te conheci
E te amei
Fui invadido
por uma grande
Felicidade amarela
E te sorri
Em tonalidades
De branco...
A cor
Dos seus olhos
Me responderam
Em paixão vermelha
E meu peito
Se preencheu
De azul...
É ISSO:
QUANDO ESTOU
COM VOCÊ
SOU AZUL.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

148 - EU SOU
Autor: Carlos Henrique Rangel

Eu posso tanto...
Sou como a água...
Não,
Não estou louco
Ou delirando.
Estou apenas constatando.
Eu mudo todo tempo
e o que parece morto
se transforma,
Muda.
Energias vão
energias ficam
carnes que vão
Novas carnes que ficam...
Transformação...
Nada é igual
Mas continua...
Tudo na verdade
Continua...
Eu já estive aqui antes
Sempre estive aqui...
De outro jeito
De outra forma
Com outra consciência
Ou sem...
Sou gasoso
Sou líquido
Sou solido
Sou gasoso...
Sou eterno mutante
Eterno companheiro
Da mãe Gaia...
Eu estive
Eu estou
Eu estarei...
EU SOU.

1211 - VISÃO