quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

655 - SOBREVIVER
Autor: Carlos Henrique Rangel

Há momentos que esquecer
É a única forma de sobreviver.
Os que foram são lembranças
E vem a dor...
São muitos os que me deixaram
E somente os sei em fotos amarelas
E objetos que os dizem.
Desfilam em minha memória
Os que abandonaram esse mundo.
E sofro a solidão dos que ficaram.
São muitos os sorrisos
Que não vejo.
Quem contará suas audicéias?
Um dia também eu serei lenda de alguém
Amarelado em retrato na parede.
O tempo é meu carrasco.
Esquecer a dor
É a única forma de sobreviver...

Avô Vespúcio morreu...
Tio Ailton morreu...
Tia Zélia morreu...
Vó Mocinha morreu...
Vó Maria morreu...
Vô Ataliba morreu...
Tio Miltinho morreu...
Morreu Vó Carmem.
Tio Lipinho...
Tio Haroldo...
Tio Toninho...
Tio Cilas...
Tio Otaviano...
Tio Jairo...
Morreu Tia Maroca.
Morreu Tia Zaíra...
Tia Adalzira morreu...
Madrinha Eliana morreu...
Pedrinho morreu...
Morreu Tia Eunice.
Morreu Tio Roberto.
Morreu Tia Mariinha...
Tia Zairinha...
Meu Pai morreu...
Um pouco de mim
Com todos eles.