sábado, 16 de janeiro de 2010



222 - ROTINA
Autor: Carlos Henrique Rangel


Sobre a luz quase noturna
De ontem
Lembro de seus olhos distantes
Nada quentes
Nada vivos.
Gemas frias, cansadas...
Esperando trégua.
Te sorri amor amarelo pálido...
Me retirei cabisbaixo...
Mergulhei em minha solidão carnal
Erguendo um muro triste,
Cotidiano, urbano
E bebi doses de ansiedade
Te esperando...
Hoje te vi melhor
No café da manhã
E esperei o beijo que veio
Nada frio
Nada feio.


Redimiu a noite.


2 comentários:

  1. Mas vou te falar uma coisa, não conta para ninguém...
    É segredo de Estado... Ninguém do meu circulo sabe...
    EU SOU NORMAL!!!!!!

    ResponderExcluir

1267 - TRÊS MESTRES