terça-feira, 12 de janeiro de 2010



215 - PANDORA
Autor: Carlos Henrique Rangel


Se abrir
Não há volta.
Assuma os sentidos,
Tudo vem atona.
Tudo chega a você.
E para o bem
Ou para o mau
Afetado estará.


Se abrir
Verá o mundo
De antes...
O que foi
E não é mais...
Não como antes.
E você sorrir
E você chora
E você lembra...
E você quer esquecer...
Dói mas é bom...


Se você abrir
Aceite os fantasmas
Dê-lhes guarida.
Ouça...
Sinta...
Se você abrir
Pode ser
Que o futuro esteja...
Vislumbre...
Do que pode ser.
Possibilidade.


Eu sei...
Não há volta.
Se você abrir
Afetado estará.


A indiferença
É palavra morta.
Afetado estará...


Para sempre...



2 comentários:

  1. Tem coisa que queremos esquecer dentro da caixa... Lembrar pode machucar...
    Mas há tanto para se aprender com o que passou... Então...
    Coragem! Abra a caixa!
    Quems sabe você se encontre...

    ResponderExcluir
  2. Pandora.... Já tive esse apelido... Sera porque? mhuwahahahahahaha

    ResponderExcluir

1248 - SIRENE