sexta-feira, 12 de novembro de 2010

431 - OLHOS DE CRIPTONITA
Autor: Carlos Henrique Rangel

SEGUNDA FEIRA
Hoje lembrei de você
Naquele dia
Àquela tarde
E seus olhos verdes
Diziam-me amor
Em criptonita.

TERÇA FEIRA
Hoje lembrei de você
Naquele dia
E seu sorriso
Era de canjicas
Quando me olhava
Com os olhos
De criptonita.

QUARTA FEIRA
Hoje lembrei de você
Naquele dia
E o beijo que me deu
Era de maçã
E escondeu o sorriso
De canjica
E fechou os olhos
De criptonita.

QUINTA FEIRA
Hoje lembrei de você
Naquele belo dia.
E seu abraço no cinema
Tinha perfume de cobertor
E completava
O beijo de maçã...
Aquele que escondeu
O sorriso de canjica
E fechou os lindos
Olhos de criptonita.
SEXTA FEIRA
Hoje lembrei de você
Naquele dia
E o vi transformar
Em outro dia.
Naquele quarto
Agora nosso
Cheio de abraços
De cobertor
Beijos de maçã
Sorrisos de canjica
E olhos...
Olhos de criptonita.

SABADO
Hoje lembrei de você...
E sei que matarei
A saudade daquele dia.
Do quarto agora nosso.
Do abraço de cobertor.
Do beijo de maçã.
Do sorriso de canjica.
Dos olhos de criptonita.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

1194 - TEMPO

1194 - TEMPO Autor: Carlos Henrique Rangel