sábado, 13 de novembro de 2010

433 - DELÍRIO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Aqui nessa árvore
Que tudo vê
Sou fruto de raro sabor.
Nada mais quero da vida
Do que vê-la passar.
E passa bem
Essa que vivo a observar...
Aqui nessa árvore da vida
Onde deixei de ser para Ser
Sou espião do mundo
Tudo parece simples...
Tudo é tão simples...
Sou um fruto...
Inexpressível
Insignificante
E o que importa?
Vejo tudo de certo ângulo...
Sou observador...
Sou platéia...
Há muito deixei de ser ator.
Há ridículos dramas
Há amores vis
Há um vento
Que quase me quer...
Pobre humanidade...
Bela humanidade...
E eu que deixei de ser...
Aqui nessa árvore
Que tudo vê
Estou de olho
Em você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1267 - TRÊS MESTRES