domingo, 16 de maio de 2010

339 - CALMA
Autor: Carlos Henrique Rangel

O quente Sol da manhã
Me abençoou a face.
Todas as possibilidades
Do mundo adiante.
Enquanto eu pensava
Em correr
Nada parecia se mover
De verdade.
A brisa não tinha
Horário
E aquela folha
Dançarina
Não ensaiara
A coreografia..

O banco em que sento
Me fascina...
Tudo Pode esperar...

A vida ensina...


340 - MÃO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Dê-me a sua
Mão.
Nunca te
Direi não.
Serei
Seu menino
Sempre...
A seu lado...
Se quiser...
Não.

Nunca
Te negarei
A mão.
Serei
Seu menino
Sempre...
A seu lado...
Se quiser...
Não.

Dê-me a sua
Mão.
Serei
Seu menino
Sempre...
Nunca
Te direi
Não.
A seu lado
Se quiser...
Não.

Nunca me dê
Seu não.
Serei sempre
Seu menino.
Do seu lado....
Dê-me a sua
Mão.


341-FELIZ
Autor: Carlos Henrique Rangel

Serei feliz?
Como?
Se você
Não existe
Ao meu lado?
Não sei de você
Há tanto tempo
Que a felicidade
É o Paraíso,
Distante de mim...

Mas vivo
A procura...
Cada dia
É possibilidade...
A esperança
O galo a canta...
A coruja a lamenta...

E eu continuo.

Feliz?
Como?
Sem você?
Mas te procurar
Me faz feliz
Todo dia...
A tristeza
Vem a seguir...





4 comentários:

  1. Eu li as três, mas vou falar da que eu mais gostei:

    A poesia "Feliz" está muito boa, às vezes a tristeza nos inspira, pelo menos em meu caso sim, mas a felicidade sempre está conosco, só que não se consegue ver, procurá-la também traz ânimo pois a esperança está junto, a felicidade é o esperado encontro.

    Agradeço aos elogios,você também merece meu elogio, também és um ótimo poeta! :)

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado Fran.
    A felicidade é conquistada todos os dias
    É feita de momentos.

    ResponderExcluir
  3. feliz?
    como?
    talvez desesperado.
    desesperado?
    quem não espera mais.
    feliz agora, sem esperar por nada.

    ResponderExcluir
  4. Tentar ser feliz já é um caminho para a felicidade.

    ResponderExcluir

1211 - VISÃO