sábado, 26 de junho de 2010

385 - FILHOS DA NOITE
Autor: Carlos Henrique Rangel

Nós os filhos da noite
Somos mais fortes
Quando o brilho das estrelas
Iluminam-nos a lida.
Com os pés salgados de mar
Temos asas ao vento...
Vontade de voar.
Na penumbra nos debruçamos
Sobre o mundo
Para dizer segredos
Conhecidos, já ditos...
Repetidos.

Nós os filhos da noite
Somos solitários guerreiros
Da paz.
O amor em nossas letras
São armas leves,
Acariciam
Não ferem.
Te encontro entre um vôo e outro
Sobre o mar...
Sob os brilhos das estrelas...
Nós os filhos da noite
Temos como sina,
Amar...


386 - GÓTICO
Autor: Carlos Henrique Rangel

Cuidado!
Não te quero ferir...Mais.
Já bastou o sangue sobre os lençois
que estamparam nossa dor...Sua.
Sobreviva sem mim,
Se puder.
Nada de bom pode vir de mim.



387 - LUA
Autor: Carlos Henrique Rangel

A lua brilha como coroa
Sobre minha cabeça.
Eu, pobre anjo noturno
A tenho como amiga...
Nas noites,
Quando todos os anjos
São mansos
Eu rabisco seu nome
Nas estrelas...
Acorda!
Brinca comigo
À luz da lua...
Serei original
Dizendo asneiras...
Sou anjo noturno.
Solitário menino... Manso...
À noite,
Todos os anjos o são...


388 - DE NOVO O GRÃO
Autor: Carlos Henrique Rangel

O mar ...
Esse que quebra na praia.
Já disseram, é bonito.
Melhor a praia e seus grãos...
Aqueles que ficam na pele
e que guardo no coração.
Não desejo toda a areia da praia...
Não.
Somente o grão.
Esse grão.

Ah... Esse grão em forma de rosa...
Que dizer de seu lirismo?
Bebo suas ondas
E a sede se amplia...
Fira-me com seus espinhos...
Guardarei o grão nos olhos
Entre lagrimas...
O mar sabe recuar...



Nenhum comentário:

Postar um comentário

1194 - TEMPO

1194 - TEMPO Autor: Carlos Henrique Rangel